-Поиск по дневнику

Поиск сообщений в joaothomass16

 -Подписка по e-mail

 

 -Статистика

Статистика LiveInternet.ru: показано количество хитов и посетителей
Создан: 02.07.2018
Записей:
Комментариев:
Написано: 349


15 Bolsas De Estudo Para Todos Os Perfis (e Inscrições Acabando)

Суббота, 11 Мая 2019 г. 17:21 + в цитатник

Brasileiro Pesquisa Recentes Espécies Em Grãos De Areia Da Praia


Mulheres negras têm duas vezes e meia mais chances de morrer durante um aborto do que as mulheres brancas. Provenientes da classes sociais mais pobres, elas costumam não ter condições financeiras para pagar por um procedimento seguro e recorrem a métodos caseiros com maiores riscos de complicações. E diante de um aborto mal sucedido, estudos afirmam que elas têm maior contrariedade no acesso a serviços de saúde, o que aumenta o traço à vida destas mulheres.


As rotas que levam as mulheres negras a isso são diversos. Na atualidade, o aborto provocado é considerado crime calculado nos artigos 124 a 128 do Código Penal Brasileiro e pune em tal grau a gestante como os profissionais que fazem o procedimento. O único tipo de aborto provocado previsto em lei é em caso de estupro ou de risco à vida da mulher - porém mesmo nesses casos há obstáculos burocráticos que desencorajam a prática. Petrobras Nega Que Parada De Plataforma De Gás Impacte Tarifas Do Setor Elétrico mortalidade superior entre as mulheres negras é o episódio de elas abortarem mais. Maria do Carmo Leal, Silvana Granado Nogueira da Gama e Cynthia Braga da Cunha no estudo "Desigualdades raciais, sociodemográficas e pela assistência ao pré-natal e ao parto".


Outra possível descrição é episódio de as mulheres pobres e negras ainda terem menos acesso a opções de métodos contraceptivos, segundo Greice Menezes, pesquisadora do Programa Integrado em Gênero e Saúde (Musa) da Faculdade Federal da Bahia (UFBA). O grau de informação sobre educação sexual é bastante deficiente nas periferias do país, onde está enorme porção da população negra. O Programa de Duelo ao Racismo Institucional (PCRI) define este tipo de discriminação como "o fracasso das instituições e instituições em prover um serviço profissional e adequado às pessoas em virtude de sua cor, cultura, origem racial ou étnica".


O documento explica que ele se manifesta em normas, práticas e comportamentos discriminatórios adotados, em uma atuação que combina estereótipos racistas, falta de atenção e ignorância. Ou melhor, o racismo não aparece de forma deliberada, porém de modo velada nas engrenagens das organizações e relações. Emanuelle Goés, doutoranda em saúde pública pela UFBA e coordenadora de saúde do Odara Instituto da Mulher Negra.



  • Prepare teu currículo, a sua carta de exposição e a sua declaração de diversidade

  • O framework: passo a passo pra implantar um projeto de Big Data

  • Educação a Distância

  • Mestrado em Gestão Intercultural e Intercomunicação - Finlândia



Os números a respeito da saúde da população negra no geral embasa essa constatação. A Procura Nacional de Saúde (PNS) de 2015, a primeira a fazer o recorte por raça e cor, mostra que essa população tem desvantagens em quase todos os requisitos pesquisados. Entre a população branca atendida, 9,5% saem do serviço de saúde com a compreensão de que foram discriminadas.



O percentual sobe para 11,9% entre pretos e 11,9% pardos - a soma dos dois grupos representa a população negra, de acordo com a definição do IBGE. Elas bem como têm menos acesso a planos de saúde e a internações, consultam menos médicos e dentistas, têm mais dengue, são vítimas em superior proporção de acidentes de trânsito e serviço e de violências e agressões.


Este menor acesso a serviços de saúde impactam na mortalidade das mulheres negras. Os números do Ministério da Saúde revelam que sempre que o número de casos de mortalidade materna (óbitos durante e logo depois da gestação e adiciona abortos) cai entre as mulheres brancas, ele a respeito de entre as negras. Os Cursos São Reconhecidos Pelo MEC? , 62.503 mulheres faleceram em decorrência da gestação, sendo 45,5% brancas e 46% negras (soma de pretas e pardas). Em 2016, o número de mortes registradas foi de 64.265, 41% de brancas e 53% de negras.


Ou seja, o número de mulheres que morrem em decorrência de uma gestação subiu, contudo a situação da parcela branca melhorou, enquanto a da negra só piorou. As principais causas dessas mortes são pressão alta e hemorragia. Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz mostra que quase um terço das pardas e negras não conseguiram atendimento no primeiro hospital ou maternidade que procuraram.


Um caso de morte materna apresenta pistas de como o racismo institucional atua pela atenção à saúde da mulher. Unesc Recebe Inscrições Pra Mestrado Em Educação do domingo, ela foi medicada com dipirona para a aflição de cabeça e colocada no soro. Em seguida, teve uma convulsão por eclampsia, que é causada por causa pressão alta, e foi finalmente levada pro centro cirúrgico pra fazer uma cesária.



 

Добавить комментарий:
Текст комментария: смайлики

Проверка орфографии: (найти ошибки)

Прикрепить картинку:

 Переводить URL в ссылку
 Подписаться на комментарии
 Подписать картинку